Chama-se Geoduck, (se pronuncia guui-o-dak), é delicioso e possui alguns recordes:
A Panopea generosa (nome científico) é o molusco bivalve  de maior tamanho no mundo, chega a medir 2 metros e pesar 7 quilos. Pertence a uma das espécies mais antigas e é o segundo organismo vivo de maior longevidade, chegando aos 140 anos, só perdendo para a tartaruga gigante que alcança os 200. A idade pode ser analisada pelos anéis da concha.

3 copy
Apesar do interessante currículo há quarenta anos o bizarro molusco tinha pouca “visibilidade” nacional e internacional, era praticamente um desconhecido. Apenas os habitantes da costa do Pacifico Noroeste dos USA, onde é o seu principal habitat, conheciam e apreciavam seu sabor.
O nome provém da palavra indígena “gweduc”, que quer dizer “cavar fundo”, literalmente o que se tem de fazer para “caça-lo”. Para dificultar um pouco mais o assunto, só se faz visível uns poucos dias ao mês quando baixa a maré.

Como uma imagem vale mais que mil palavras aqui temos um gráfico para explicar como evoluciona a amêixoa gigante:

Desenho gráfico de David George Gordon

O sifão é a parte mais apreciada. A sua forma fálica, que se desenvolve com o decorrer dos anos, lhe permite aspirar a água que contém o fitoplâncton com o qual se alimenta para posteriormente expeli-la.

È um animal sedentário, uma vez alcançada a profundidade que se sente seguro que pode ser de 1 a 100 metros nas profundezas marinhas, dependendo onde foram fecundados os ovos, aí permanece durante toda a sua vida. Poucos são os predadores que o põe em perigo (estrelas e lontras marinhas) e quando isso ocorre, igual que as tartarugas, se recolhe em sua concha. Os exemplares mais apreciados são os que crescem longe de fundos rochosos, pois são mais gordos e de cor marfim, em vez de cinza escuro.

A China e Japão são seus maiores consumidores e o têm como uma iguaria com fortes propriedades afrodisíacas (claro à vista esta o fato …) Contudo também é certo que a carne do geoduck é rica em aminoácidos e zinco que ajudam a desencadear a produção das hormonas do sexo.

De delicado sabor com textura crocante, no Japão é utilizado como sashimi e sushi (mirugai), já na China é servido em sopas, empanado ou sautée com verduras e macarrão fininho. Aqui em Seattle é tradicional no Clam Chowder , uma sopa feita com batata e amêijoas ou em sashimi.

Devido à forte demanda dos países orientais e do alto preço que pagam (300 dólares o quilo) as “granjas” de geoducks estão em franco crescimento sendo um dos mais lucrativos empreendimentos, no que se refere a produtos marinhos, do estado de Washington. Os pequenos geoducks são protegidos dos predadores por tubos de PVC durante uns dois anos. Quando adultos, 4 a 7 anos, pelo procedimento de esparzir a areia pela pressão da água com mangueiras, o fruto do mar é recolhido quando exposto à superfície.

Bem mais fácil que o tradicional método de cavar, certo?

Ato seguido um elástico bem apertado é colocado ao redor do corpo para simular a pressão da areia, assim a amêixoa se sente em seu habitat natural podendo viver desse modo até uma semana.

 

O processo de limpar e preparar o geoducks é algo trabalhoso, porém interessante. Como o molusco tem de conservar a sua natural textura o preparo deve ser cuidadoso, assistam como no video-post!

 

Onde degustar geoducks em Seattle:

shiro's

Shiro’s

2401 2nd Ave
Seattle, WA 98121 b/t Battery St & State Route 99 in Belltown 

Taylor-Shellfish-Farm-Retail-Store-Tank      

Taylors Oyster Bar 

1521 Melrose Ave
Seattle, WA 98122 b/t Pike St & Minor Ave in Capitol Hill